Visualizações: 47

Ondas eletromagnéticas poluem o ar das cidades. Entenda como a Poluição Eletromagnética pode afetar sua saúde!

Ondas eletromagnéticas poluem o ar das cidades
Compartilhe com seus amigos:

Quem passa pela Paulista -uma das avenidas de maior circulação de São Paulo e do país- se expõe à poluição ambiental mais debatida nos últimos 20 anos: a eletromagnética. Como não pode ser vista, sentida nem cheirada, pouca gente se dá conta de que ela existe. 


Mas o campo eletromagnético emitido por antenas de TV, de celular e rádio provoca interferência em aparelhos eletroeletrônicos -de marcapassos e válvulas cardíacas a rádios e computadores- e ainda pode afetar plantas, animais e até o homem. Em janeiro passado, uma antena de celular em Campinas (SP) teve de ser removida depois que técnicos do CPqD (Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Telecomunicações) detectaram, no consultório dentário que ficava num prédio em frente à antena, níveis de radiação eletromagnética acima da faixa de segurança. A antena teve sua posição mudada para proteger os moradores e as pessoas que trabalhavam no edifício dos efeitos térmicos do excesso de radiação -como queimaduras e parada cardíaca. Esse tipo de poluição também já obrigou uma montadora de veículos a alterar o sistema de injeção eletrônica de um protótipo que estava sendo testado porque o carro apresentava defeito sempre que passava pela avenida Paulista. 


Perda de memória e câncer
 


A poluição causada por antenas de celular, TV e rádio é conhecida como radiação por radiofrequência. Ao contrário da poluição causada por raios X e gama, ela é fraca demais para quebrar a ligação de moléculas e células, o que provoca danos graves à saúde. Entretanto também preocupa, e não apenas pelos efeitos térmicos. Pesquisas feitas nos EUA, na Inglaterra e na Austrália indicam que a exposição contínua a campos de radiofrequência pode provocar sensação de cansaço, mudanças de comportamento, perda de memória, mal de Parkinson, mal de Alzheimer e até câncer. 


Tudo depende da frequência e da intensidade das ondas emitidas pela antena, do tempo de exposição e, sobretudo, da distância em que a pessoa fica da fonte emissora. Essas pesquisas são alvo de questionamentos por parte da comunidade científica internacional porque nenhuma conseguiu demonstrar de que maneira as ondas eletromagnéticas alteram o funcionamento do organismo (leia texto na página 12). Mesmo assim, a OMS (Organização Mundial da Saúde) afirma que os riscos levantados até agora “demandam urgência no desenvolvimento de programas que levem a um consenso científico que possibilite a clarificação desses assuntos”. 


Enquanto o consenso não vem, a recomendação é prudência e fiscalização intensa para impedir que as antenas emitam campos eletromagnéticos acima do limite considerado seguro para a saúde humana. A Comissão Internacional de Proteção às Radiações Não-Ionizantes, órgão ligado à OMS encarregado de orientar o debate internacional sobre o assunto, estabelece que nenhuma antena deve emitir radiação superior a 435 microwatts por cm2. Já está cientificamente provado que, acima desse valor, o campo eletromagnético eleva a temperatura do corpo e pode causar queimaduras, catarata, má-formação fetal, derrame e parada cardíaca. 


Embora a OMS recomendasse fiscalização intensa para driblar esses problemas, não havia no Brasil nenhuma legislação limitando a emissão de radiação por radiofrequência. Com a proliferação das antenas de celulares, o clima de desconfiança sobre potenciais efeitos nocivos das antenas aumentou. Algumas prefeituras decidiram não esperar pela Anatel, o órgão regulador, e criaram limites municipais. Campinas saiu à frente. Em outubro de 98 aprovou lei fixando o limite de 100 microwatts por cm2 -quatro vezes mais rígido do que o sugerido pela OMS. Bauru seguiu o exemplo e, seis meses depois, estabeleceu o mesmo valor. Porto Alegre foi mais flexível e fixou a radiação máxima em 580 microwatts por cm2. Finalmente, em julho passado, a Anatel decidiu que, enquanto não for elaborada a legislação nacional, vale o valor recomendado pela OMS. 


Como as três cidades já haviam estabelecido seus próprios limites, a confusão foi criada. A pedido da Folha, a Abricem (Associação Brasileira de Compatibilidade Eletromagnética) fez uma medição em alguns pontos da avenida Paulista na semana passada e constatou que, no trecho em frente à antena da TV Globo, a radiação varia de 25 microwatts por cm2 a 97,8 microwatts por cm2. É alta, mas aceitável. Medições feitas em 97 em antenas de celular instaladas no Paraíso e no largo de São Bento (centro de SP) detectaram campos magnéticos ainda mais altos, de 135,8 microwatts por cm2 e 206,2 microwatts por cm2, respectivamente. Se fosse em Campinas ou Bauru, as torres teriam de ser deslocadas.


Fonte: Folha de São Paulo, junho de 2000

Compartilhe com seus amigos:
[taxopress_postterms id="1"]

Gostou do artigo?

Não deixe de compartilhá-lo com seus amigos. Aproveite e também adquira hoje nossos produtos em nossa Loja Virtual e dê o primeiro passo para melhorar sua qualidade de vida e saúde. 

A NOÌS pesquisa e desenvolve soluções com o principal objetivo de restaurar o Equilíbrio Iônico no meio ambiente, através de produtos que tornarão o meio onde vivemos mais saudável e livre de possíveis doenças causadas por esta poluição eletromagnética.

Clique no botão abaixo para conhecer nossos produtos.

Comprar na Loja da NOÌS

Conecte-se conosco nas redes sociais:

Fundo de Investimento:

Fundo de investimento Capital Venture GoldStreet
Tenha uma Renda Extra com a NOÌS

Trabalhe do conforto de seu lar, perto das pessoas que tanto ama, enquanto ganha uma renda extra.
Temos vários opções de ganhos com nossa empresa para que você não fique de fora.

Sobre a NOÌS
Nossa Visão

Temos como Visão ser uma Empresa que Visa Proporcionar o Melhor Bem Estar para os Nossos Clientes e transformar nosso Ecossistema com soluções limpas e Inovadoras.

繁體中文EnglishPortuguêsEspañol